google-site-verification: googlec024a03e12b1de01.html

AGENTES COMUNITARIOS DE SAUDE DO BRASIL

BLOG DOS AGENTES COMUNITARIOS DE PROMISSÃO , LINS SABINO , GUAIÇARA , CAFELANDIA , PIRAJUI E TODA REGIÃO CENTRO OESTE PAULISTA.
Pesquisa personalizada

TRANSLATE

terça-feira, 26 de março de 2013

26/03/2013 Terapia genética fez doentes com leucemia aguda entrar em remissão


Terapia genética fez doentes com leucemia aguda entrar em remissão

Um pequeno ensaio clínico acaba de mostrar que é possível, graças a células imunitárias manipuladas, destruir as células cancerosas e permitir assim que o doente receba um transplante de medula óssea.
Células do sangue vistas ao microscópio electrónico INSTITUTO NACIONAL DO CANCRO DOS EUA
Cientistas do Centro do Cancro Memorial Sloan-Kettering de Nova Iorque utilizaram células imunitárias geneticamente manipuladas para destruir um cancro do sangue que é fatal em 60% dos casos (e em poucas semanas, se não for tratado): a leucemia linfoblástica aguda. Os seus resultados foram publicados na revista Science Translational Medicine.
O ensaio envolveu cinco doentes que sofriam de leucemia linfoblástica aguda das células B – e que já não respondiam aos tratamentos convencionais. As células ou linfócitos B são as células do sistema imunitário que fabricam anticorpos. Existem outras células imunitárias, os linfócitos T, que são capazes de identificar e neutralizar as células “inimigas” do organismo, como por exemplo as células infectadas por vírus. Mas, muitas vezes, revelam-se incapazes de reconhecer como agressoras as células cancerosas.
Michel Sadelain e colegas tornaram justamente os linfócitos T extraídos dos próprios doentes capazes de detectar e de destruir os seus linfócitos B. Mais precisamente, os linfócitos T foram geneticamente modificados, antes de serem reinjectados, de forma a conseguirem reconhecer uma determinada proteína presente à superfície de todos os linfócitos B – os saudáveis e os cancerosos. E a terapia resultou, de facto, na destruição da esmagadora maioria dos linfócitos B.
Cinco doentes com este cancro foram assim tratados – e melhoraram rapidamente, explica um comunicado da Science Translational Medicine. Num dos doentes, a doença tornou-se indetectável uma semana apenas a seguir à aplicação do tratamento experimental. Outros três doentes também atingiram um estado de “remissão molecular” em 18 a 59 dias. O quinto doente teve uma recaída. Foi o facto de esses quatro doentes entrarem em remissão que lhes permitiu beneficiar de transplantes de medula óssea – algo  que, antes de iniciar o tratamento, teria sido impossível, dado o estádio avançado do seu cancro.
Este tipo de terapia não está isenta de efeitos secundários indesejáveis e precisa de ser adaptada a cada doente para produzir uma resposta imunitária suficientemente poderosa. Mas os autores acreditam que esta é uma via prometedora para o desenvolvimento de uma nova classe de medicamentos contra o cancro.

Um comentário:

  1. Grande avanço pois está doença ainda mata muito no mundo inteiro.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...